[Resenha] Amor amargo


Título original: Bitter End
Autora: Jennifer Brown
Editora: Gutenberg

                Alex tem 16 anos e esta em seu último ano do colégio. Todo o ano de formatura dela já está planejado: ela vai se empenhar ainda mais na escola (já que agora ela passará a dá aulas de reforço), trabalhar e juntar bastante dinheiro, tudo isso para que ela e seus melhores amigos Bethany e Zach, consigam cumprir a promessa que fizeram ainda na infância de viajarem juntos para o Colorado, cidade para onde a mãe da Alex estava indo quando morreu em um acidente de carro.


                Desde a época da tragédia, a família da moça entrou em um buraco sem volta. O pai se transformou em um homem omisso e para Alex, as irmãs não parecem sentir tanto a falta da mãe quanto ela. A verdade é que a garota se sente culpada pelo acidente da mãe e com isso passou a evitar desenvolver um relacionamento afetivo com a família, transferindo assim toda sua carência e afeto para os amigos, que se tornam sua verdadeira família. Assim, os planos que os três fizeram para a viagem de formatura estão dando mais que certo. Até que um garoto novo e misterioso, chamado Cole entrar na escola e muda a vida da Alex.


                Romântico, carinhoso, compreensivo, o sonho de toda garota, o verdadeiro príncipe encantado, Cole entra na vida da Alex de maneira arrebatadora e sem esperar sequer um segundo, passa a suprir toda carência emocional que a menina sente. No início, a garota não acredita muito no interesse dele e acha que é tudo fruto da sua imaginação, mas o interesse de Cole por ela é tanto, que fica impossível dizer não a ele. Alex está no céu e deixa tudo de lado por causa do garoto até mesmo seus amigos que logo de cara deixam bem claro que não gostam nem um pouco do namorado da amiga.

                Alex é convencida por Cole de que Bethany e Zach estão com ciúmes dela por isso, a menina passa a se isolar cada vez mais e a viver exclusivamente para o amor de sua vida. Mas, enquanto os laços do relacionamento deles vão ficando cada vez mais fortes, começam a surgir os primeiros problemas, que são apenas uma pequena amostra do quê ainda estava por vir.


                Falar sobre relacionamento abusivo, independente de ser hetero ou homoafetiva já é bastante complicado no caso de um casal de adultos, imagina em um onde o ponto central do conflito é um casal de adolescentes. Jennifer Brown conseguiu nos fazer entender como a cabeça e os sentimentos de uma pessoa que sofre esse tipo de violência funcionam. Para muitas pessoas, que assim como eu, nunca passaram por esse tipo de situação é muito fácil dizer “como ela não está vendo isso?!” ou mandar a Alex acabar o namoro milhões de vezes, mas a verdade é que apenas a vítima dos abusos é que pode relatar o que sentiu e viveu na pelo durante o relacionamento e perceber quando é a hora de dá um basta nesta situação. Afinal de contas, por mais que as pessoas ao redor da vítima tente fazer com que ela enxergue a verdade do que está acontecendo, é difícil a pessoa aceitar que esteja sofrendo algum tipo de violência.


                No caso da Alex a carência emocional e afetiva provocadas pela falta de um bom relacionamento familiar, deixou uma grande lacuna sentimental, já que apesar de toda relação sincera e até mesmo de amor fraternal que ela tinha com seus melhores amigos, não a blindou contra um relacionamento que acabou destruindo a sua vida. Muitas garotas e garotos não percebem que estão em um relacionamento desse tipo até que alguma coisa extremamente grave aconteça, já que o opressor isola sua vítima emocional e fisicamente de qualquer pessoa que seja importante no seu dia-a-dia, criando assim uma bolha no entorno de sua vítima, que acaba por depender única e exclusivamente de seu agressor.


                Qualquer pessoa, independente de sexo, idade e classe social está sujeita a se envolver em um relacionamento abusivo, já que no início tudo são flores e o agressor quer mais é fazer com que sua vítima confie e acredite que sem ele/ela, sua vida não poderá mais existir. Porém, é a partir do momento que a primeira agressão acontece, seja ela física ou verbal e que a falta de respeito entre o casal acontece, é que essa relação precisa ser avaliada para vê se vale  de fato a pena ou não. Quem ama de verdade não maltrata, nem muito menos agride a pessoa amada.

                É impossível não se apaixonar nem passar a vida inteira “fechado (a) para balanço” para assim evitar que um relacionamento abusivo não apareça na sua frente, o que todo mundo precisa é está atento (a) e ter a consciência de que a linha que separa os sentimentos bons dos abusivos em uma relação é muito tênue e desse modo evitar que a falta de amor próprio seja maior que o amor e a dedicação ao próximo.


                Apesar de já ser bastante conhecida no universo literário por causa de “A lista negra”, esse foi meu primeiro contato com a Jennifer Brown. Achei o estilo da narrativa da autora bastante forte e super impactante, pois podemos mergulhar profundamente nos sentimentos dos personagens e no caso de “Amor amargo” quase sentir na pele a dor e o sofrimento pelo qual a protagonista passou. 


       Obrigada por acompanharem meu trabalho. Não se esqueçam de seguir as redes sociais do blog e o canal do Youtube (Clique aqui para se inscrever). Bjoxxx e até a próxima =) 

Share this:

JOIN CONVERSATION

2 comentários :

  1. Oi Thati! Acho super inportante os autores abordarem esse tema nos livros, e realmente, a maioria das vítimas não percebem que estão em um relacionamento abusivo.

    blog aboutbooksandmore.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cássia, Obrigada pelo comentário. Eu também acho importante esse tipo de assunto ser debatido principalmente por um público cada vez mais jovem, pois assim já começamos a conscientizar sobre a violência em relacionamentos. Adorei seu blog e vou responder a Tag Noite e Dia em breve.

      Excluir