[Resenha] Coraline


 Título original: Coraline
Autor: Neil Gaiman/P. Craig Russell
Editora: Rocco Jovens Leitores

      Coraline é uma menina muito curiosa, que adora explorar lugares diferentes e descobrir o que há de novidade. Mas, desde que se mudou para o novo apartamento com os pais, as coisas não tem sido nada fáceis. O novo lar, que na verdade era uma parte de uma grande casa com outros moradores mais antigos e que a menina achava um pouco esquisitos.


      Sendo a única criança do lugar Coraline adorava se aventurar pelo terreno da propriedade sozinha mesmo. Foi assim que ela descobriu uma quadra de tênis abandonada, um jardim de roseiras atrofiadas e um poço coberto por uma tábua para que ninguém caísse dentro dele. Apesar de todo espaço que tinha para explorar, a garota se sentia muito sozinha e sempre pedia que seus pais passassem algum tempo com ela, mas como eles eram bastante ocupados e precisavam terminar os livros que estavam escrevendo, sempre deixavam a garota sozinha.


      Meio que sem querer, Coraline achou uma porta para o outro lado, onde a Outra Mãe e o Outro Pai a esperavam para dá todo carinho, atenção e coisas que a menina desejava. Só que tudo esse “amor” tinha um preço e Coraline tinha que costurar botões pretos nos olhos. Intrigada com a proposta, a garota lança um desafio para aquela mulher tão assustadora: achar os pais verdadeiros que foram sequestrados e as almas de três crianças que a bruxa havia aprisionado anos antes.


       Nessa maravilhosa história de “terror” para crianças, Neil Gaiman explora com sutileza temas muito comuns durante a infância. A personagem principal se sente bastante solitária por causa do trabalho dos pais e por ser a única criança no novo condomínio em que mora. Assim, ela cria um universo paralelo no qual ela pode ter tudo o que deseja. Só que Coraline não contava que seu desejo por viver as experiências do mundo paralelo fossem tão intensas, chegando ao ponto dela quase trocar o mundo real pelo universo alternativo.

       Muitas vezes os pais não entendem que esse mundo criado pelos filhos é um dos principais sinais de que a criança se sente isolado e que ela passa a usar esse universo como uma maneira de escapar do mundo real. Quando a gente compara o livro com o filme percebe claramente a negligência que a garota sofre e o quanto os pais a isolam.


      As ilustrações de P. Craig Russell são maravilhosas e em minha opinião trouxeram um tom ainda mais sombrio para a história. Outra característica é que a grafic novel em nada lembra a adaptação cinematográfica que foi feita para crianças, mas que não deixa de emocionar pessoas de todas as idades.



       Obrigada por acompanharem meu trabalho. Não se esqueçam de seguir as redes sociais do blog e o canal do Youtube (Clique aqui para se inscrever). Bjoxxx e até a próxima =) 


Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 comentários :

Postar um comentário