[Resenha] Lonely Hearts Club


Referências aos garotos de Liverpool em toda história 
       Sabe aqueles livros que você termina de ler, mas o universo da história, ou melhor, em que ela acontece não sai dos seus pensamentos? Aquele tipo de livro que faz você buscar as referências a outras obras que são citadas nele? E que, além disso, tudo você ainda fica ansiosa ou imaginando que os personagens são reais e vão se materializar na sua frente a qualquer momento? Sim, essas são as impressões que o livro da Elizabeth Eulberg causam em você.
      Lonely Hearts Club (Clube do Coração Solitário) é um dos poucos livros que mantiveram o título original ao serem traduzidos para o português, e isso sem sombra de dúvida, contribui bastante para a compreensão do contexto em que se passa a história. Outro detalhe é a arte usada na capa: uma referência clássica aos Beatles, os garotos de Liverpool que marcaram a vida de milhares de pessoas e ainda são sucesso garantido em todas as lojas físicas e virtuais de música.


      Penny Lane Bloom é uma adolescente que passou a vida inteira acreditando que estava destinada a se casar com Nate, o filho do casal de melhores amigos dos seus país. Desde  criança, ela sempre ouviu comentários e brincadeiras entre os adultos a sua volta de que ela e Nate formavam um belo “casalzinho”e que quando eles fosse adultos ficariam juntos para sempre. Assim, como quase todas as garotas que imaginam o príncipe encantado de suas vidas desde cedo, Penny viu em Nate essa imagem de par perfeito para sua vida e mesmo namorando/saindo com outros garotos, ela não pensava duas vezes e antes das férias de verão chegarem ela termina qualquer relacionamento para esperar por Nate.




      Porém, tudo muda com a chegada das férias de verão desse ano. Decidida a dar um passo adiante no seu namoro com o Nate, Penny prepara uma surpresa para o garoto dos seus sonhos, mas é surpreendida ao encontrar seu grande amor com outra garota com porão da casa dela. Para a Penny nada mais no mundo tem sentido, menos a música e as letras dos Beatles, os únicos garotos que segundo ela não decepcionam ninguém.
Essa paixão pelos garotos de Liverpool a Penny herdou dos pais, que além de fãs adotaram um estilo de vida bastante próximo dos ídolos. Os pais da Penny eram fãs da banda de rock inglês mais famosa do mundo e se conheceram em um encontro de fãs da banda, casaram-se e tiveram três filhas todas com nomes inspirados nas letras de música dos ídolos: Rita, Judy e Penny Lane.

Esse livro foi meu primeiro contato com a escrita da Elizabeth
     A música dos Beatles sempre esteve presente na vida da Pen e no momento em que ela mais precisou, lá estavam eles: Paul, John, George e Ringo de braços abertos para recebê-la. E é assim, com o coração despedaçado e ouvindo as músicas dos garotos de Liverpool que a Penny decide nunca mais namorar e esquecer para sempre os garotos (ou pelo menos até ela sair/terminar a escola).
      De início sua ideia não é vista com bons olhos por sua melhor amiga Tracy (que todos os anos prepara uma lista com os nomes dos garotos de quem ela está afim), mas após a reaproximação da Diane, a ex-melhor amigada Pen, e de mais decepção amorosa da Tracy está oficialmente fundado o Lonely Hearts Club. Apesar da referência no nome, o clube não é um encontro de fãs dos Beatles, ele serve reunir as garotas que assim como suas fundadoras tiveram o coração despedaçado pelos meninos.

Uma das minhas músicas favoritas - Clichê total
      Mas, antes que ache esse tipo de clube não daria certo, você está completamente enganada. De um clube de “rejeitadas” o Lonely Hearts Club passa a ser a principal atividade das garotas da escola Mckinley que cansadas de namorados idiotas e amigas de mudam da água para o vinho por causa deles, juntam-se ao clube a cada dia.

Trechos de músicas para marcar as fases da história
Diagramação simples das páginas ressalta a história 
      É nesse contexto de ser admirada pelas garotas da escola, que a Penny percebe outra coisa: seu juramento está sob ameaça. Ryan,  colega de escola que desde sempre fez parte da vida dela e namorou sua amiga Diane por quatro anos, começa a se aproximar da Pen, ainda mais. No início, ela encara isso apenas como amizade, mas aos poucos a ideia de que algo diferente pode estar surgindo deixa a protagonista da história bastante confusa, afinal Ryan é um garoto. O “inimigo” a ser combatido.

     Lonely Hearts Club é um romance leve, divertido e com muitas referências musicais, é claro. Esse chick-lit mostra que em várias situações a amizade supera todas as diferenças, a separação do tempo e a paixão pela mesma pessoa. Mas do que isso, esse livro é um convite ao resgate de velhas amizades e um estimulo à busca de novos amigos, pois mesmo com todos os exemplos de relacionamentos, o fato é que as verdadeiras amizades sempre superam todas as barreiras.   
      Obrigada por tudo pessoal. Bjoxxx e até a próxima =)

Share this:

JOIN CONVERSATION

2 comentários :

  1. Oi Thati...

    Quero muito ler esse livro, faz tempo que ta no meus desejados, mais acho que com o tempo acabei esquecendo dele, colocando de lado e lendo outras prioridades.
    Adorei sua resenha!

    Beijos!

    Cintia
    http://www.theniceage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Cintia que bom que você gostou! O livro é muito bom e vale bastante a pena! Obrigada pela visita, bjoxxx

    ResponderExcluir