A cidade do Sol

A capa do livro é simples e bonita
 Ficha técnica*:

Título: A cidade do sol (A thousand splendid suns)
Subtítulo: 
Autor(a): Khaled Hosseini
Editora: Nova Fronteira
Edição: 1ª Impressão
Ano de publicação: 2007
Quantidade de páginas: 364
Quantidade de capítulos: 51

Resenha:

   Dividido em quatro partes, "A cidade do sol" é um dos relatos mais fiéis as consequências das guerras no Afeganistão para os cidadãos civis, principalmente as mulheres. Elas que precisaram enfrentar muitas dificuldades e injustiças nesse país do Oriente Médio que por anos, foi um local esquecido pelo mundo por muitos anos e que após o atentado de 11 de setembro de 2001 virou sinônimo de terra de terroristas.

A lombada do livro é bem simples
   A história começa em 1964, quando Mariam tem cinco anos e começa a perceber como é de fato o mundo ao seu redor. Ela é uma harami, uma filha bastarda de um homem rico da cidade de Herat, que já tem três esposas e 10 filhos, Mariam é fruto de um caso dele com uma da empregadas da casa. Para abafar a traição e pai da menina construiu uma kolba, uma espécie de barraco em um terreno isolado e totalmente afastado da cidade. Toda semana ele ia visitar a garota, que ao completar 15 anos faz um pedido bem simples: ir ao cinema de seu pai, para que junto com os outros 10, possa assistir ao filme do Pinóquio. O que nunca acontece....
    A outra protagonista do livro, Laila é uma garotinha feliz que nasceu alguns anos depois de Mariam, mas que por ironia da guerra vai morar com um casal de vizinhos depois que sua família é destruída pela luta armada do país. Para piorar a situação, Laila está grávida do seu melhor amigo de infância, cuja família fugiu para o Paquistão para escapar da gurra. 

A segunda capa do livro traz uma marca d'água da capa 
    Muitas histórias ainda vão precisar serem escritas para gente, que sempre viveu no Ocidente entender como os antigos governantes desses países do Oriente Médio acreditavam e pregavam a total submissão das mulheres, um um mundo onde nós já havíamos conquistado tantas coisas. E o que vamos demorar ainda mais para entender é com as pessoas acreditavam e seguiam todas essas determinações ao pé da letra. 

Achei essa dedicatória do autor muito linda 
   Mas questões culturais a parte, o livro tem uma narrativa um pouco lenta, o que me deixou um pouco com preguiça de terminar de lê-lo, agora claro, isso comparado ao primeiro livro de Hosseini (O caçador de pipas), que na época em que li, acho que a uns quatro anos atrás. O primeiro livro dele eu li em três dias, isso porque tava em período de prova na faculdade, agora "A cidade do sol" tenho que confessar que já tava de agonia por passa tanto tempo com ele.
    Enfim, a diagramação é bem simples, com o tamanho da fonte pequeno, margens regulares (considerando que as margens internas são pequenas) e o espaçamento é de um tamanho legal. Agora, o que realmente me incomodou foram as folhas brancas, principalmente quando eu tava lendo esse livro no ônibus, aff...  Quando batia o sol, meus olhos eram muito forçados, daí eu parava de ler e foi mais um motivo, pra eu ter atrasado a leitura. 
     Eu recomendo que vocês leiam esse livro, mas por uma questão social do que pela narrativa. O final dele é surpreendente e ao mesmo tempo lhe leva a refleti sobre a vida que a gente tem, comparada a das pessoas que estão nesses países devastados pela guerra. Eu tinha mais alguma coisa pra falar, mas........ acabei esquecendo, caso depois eu lembre o que era, edito o post, ok.

Como eu falei e vocês podem ver, a diagramação é realmente bastante simples
     É isso pessoal, espero que vocês tenham gostado, essa semana eu acho que irei publicar mais resenhas que o normal, mais isso é porque eu estou com algumas resenhas acumuladas. As novidades é que finalmente vou poder gravar os vídeos pois agora tenho uma filmadora de verdade e enfim, nos veremos muito essa semana. Bjoxxx e até a próxima. 

As partes do livro são divididas por essas páginas que também trazem a marca d'água da capa
P.S.: Ah, lembrei o que eu queria dizer, demorei muito para entender porque o livro se chama "A cidade do sol", já que no geral, a história se passa em três cidades diferentes. 

*Todas as fotos deste post são de minha autoria. 

Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 comentários :

Postar um comentário